23 de set de 2011

A história da RAZOR'S EDGE.


Nas palavras de Dave Wilson

A Razor’s Edge (R.E) se iniciou em MD (Maryland County) e DC (District of Columbia) antes mesmo de ter sido um marco. Eu e um amigo, Carlos Barksdale, demos início à ela utilizando game dogs. Nós pesquisamos tudo o que pudemos. Lemos todos os livros que existiam no momento. Assinamos várias revistas como a ADBA Gazette e até mesmo as publicações alternativas. Fizemos ligações para cada criador que foi possível encontrar e tentamos sugar o máximo de informações. “Se o assunto é Pit, nós estamos dentro”. Até então todos nós já tínhamos tido pits de fundo de quintal e sem documentação. Até fizemos parte de um pitclube, mas as picuinhas vinham à tona. Finalmente juntamos uma grana para a aquisição de um gamedog devidamente documentado e com uma boa linha de sangue. Nós adquirimos o que havia de melhor na época, mesmo pagando U$ 3500 por um neto do grande "Plumbers Alligator", o maior representante da linhagem Mayfield. Nós estávamos muito envolvidos com as game lines. Fui proprietário de cães da linhagem Hemphill/Wilder. Esses foram grandes gamedogs. Tempos depois, em DC, entrei em contato com George Williams e acabamos comprando um cão chamado Diablo no Wildside Kennels. O pai do Diablo tinha sido um grande cão de presa, "Hollinsworth Bull". Sua mãe foi uma grande game girl chamada "Wildsides Ms.Leaky". Esse foi o momento de transição da Razor’s Edge, quando começamos a acrescentar mais tamanho aos cães. A 1ª ninhada Razor’s Edge a ser registrada na "ADBA" foi a do meu cão da Mayfield line Zeus com a também Mayfield line Jinx. Jinx foi doada para um amigo nosso chamado Curt Plater, atual titular do CLP Kennels. Ele foi o único a possuir os primeiros cães Razor’s Edge. Nós perdemos o contato por muito tempo até que nos reencontramos. Eu tinha um outro cão puro da linhagem Colby chamado Dante, que estava com meu amigo Dave Conrad em DC. Dante se revelou e abalou em DC, mas isso foi nos tempos passados. Os pits foram banidos de PG (Prince George’s County) e eu fui forçado a me mudar. Como eu já trabalhava na área, resolvi montar um petshop na Virgínia (VA). Continuei com a loja, trabalhei como treinador de cães e segui na criação dos grandes ADBA gamedogs. Nessa época eu já estava criando praticamente sozinho. Distribuí alguns flyers no Washigton Post explicando o que era a criação e o que era a Razor’s Edge. Tive que me mudar para a Virgínia. Lá encontrei com Jeannie Howe, que se tornou co-proprietária da R.E. Conheci um cara chamado Ron Smith, ele surgiu para levar a coisa para um outro nível. Eu vi o seu cão chamado de "Steel Town Blue Monday", um blue dog que me chamou muito a atenção. O Ron conhecia todos os cães e criadores da ADBA e UKC, de costa a costa. Ele tinha fotos de quase todos os cães dos pedigrees, era realmente o guru do pits. Eu e Ron primeiramente contactamos o pessoal do Cock 'n' Bull Kennels, canil que produziu o “Monday”. Eles nos puseram em contato com as pessoas que dispunham dessa linha de sangue na Califórinia. Candace Eggart foi uma delas. Ela nos enviou uma foto do que tinha e do que estava para chegar em seu canil. Aí é que vem a parte boa. Anos depois ela vendeu uma cadela chamada Showtime para um cara com o nome de Tony Moore. Showtime foi uma das fundadoras da Greyline, isso muito antes da linhagem Grey vir à tona. Visitamos cada criador dentre Bobby Morehouse, Beth Jones, Lee Fitzgerald, Flying A's, Minot's Ledge, etc, da costa leste até subir para o norte. Finalmente compramos do Minot's Ledge uma fêmea azul tigrada chamada Sadey. A ninhada apresentava um excelente pedigree. A maioria dos ancestrais era de cães Flying A's, como o Oreo e o Reo Speedwagon. Cães que eu conheci e gostei. Pelo pedigree notei que muitos cães vinham da linhagem Ruffian. Daí percebe-se o resgate dos cães AKC Ruffian e UKC Colby. Mais da metade dos cães do pedigree mostram como pits podem ser registrados como american staffs. Eu gosto de ver isso no pedigree e num cão meu. Já o a outra metade dos cães do pedigree eram da linhagem Stratton. Os quais por trás estão os mesmo cães Colby. Tinha cães que eu cresci lendo sobre, como o Going Light Barney. Valeu Richard Stratton hehe! Então, eu tinha um cão que mostrava a história do American Staff e a trajetória dos cães Colby no UKC. Nós também adquirimos um cão chamado Razor’s Edge Blue Maxx. Ele advinha de um cão chamado Story Time's Upon this Rock, conhecido como Peter. Peter foi criado por Beth Jones. Era um cão muito grande, porém não muito bonito. Cruzaram ele com uma cadela chamada Wassuc's Farm Maggie May. A cadela era bonita e compacta. Pesquisando sua linhagem descobrimos que era Ryan. Quando decidimos saber mais sobre os Ryan, ficamos surpresos pois se tratavam de gamedogs. Eles estavam registrados como American Staffs no AKC, mas ainda eram criados para o gamedog. Foi um fato que eu nunca tinha visto, tenho certeza de que era por isso que o pessoal dos American Staffs não gostava dessa linha de sangue. Contudo, eu me amarrei nos game blue Staffs! Agora eles começaram a falar a minha língua, Maxx era o nosso exemplar dessa linhagem! Agora a Razor’s Edge era uma das grandes dos gamedogs na ADBA: uma cadela UKC Blue Brindle e um cão Blue Fawn AKC.

Na Virgínia vivia Sharon Stone do Cloverhill, a qual possuia a maior cadela Staff que eu tinha visto. A velhota era imensa. Muito alta para o que eu queria, porém monstra.

Eles foram mudando e anos depois ficaram mais bonitos. Paco na minha opinião estava bem a frente do seu tempo. Ginny York, Pam Perdue, GiGi, The Garretts, etc…nós visitamos todos eles. Inclusive descemos pela Flórida e visitamos Marsha Woods. Conhecemos KC Courtier do Watchdog Kennels. Decidimos subir para MD e dar um pulo no Kimmar Kennels. Assim que eu pisei na fazenda me deparei com o que eu estava procurando. A R.E estava quase se completa! Nós também anunciamos no Washigton Post por muitos anos. Alguns fanfarrões de DC costumavam descer trazendo alguns de seus cães. Edwin Salinas e Joey Nevilseram alguns deles. Esses caras andaram comprando cães do Kimmar e realizaram cruzamentos com seus próprios cães. Kimmar geralmente tinha seus comercias (anúncios) bem embaixo dos anúncios dos Pitbulls dizendo: “filhotes Petey”. Eles diziam que não queriam que seus cães fossem rotulados como pits, mas seus anúncios sempre estavam logo abaixo dos pits, mmmm! De qualquer maneira muita gente sabia da proposta e acabava comprando os filhotes desses caras. Joey, Edwin, Joey’s pop e sua galera tinham uma penca desses cães. Até mesmo amigos meus das antigas, Jerry e Gerrold tinham esses cães no quintal. Nós todos tínhamos gamedogs na mistura. Esses cães me influenciaram também. No quintal do Kimmar eu aprendi muito sobre criação e genética. Eu gastei todos os finais de semana indo pra esse lugar por quase 3 anos. Todo o domingo meus conhecimentos eram testados pelos compradores. A R.E estava se desenvolvendo em cima de poucas linhas de sangue. Nós usávamos os cães dela e de outros criadores na mistura. O Ron também tinha alguns cães York e alguma coisa do AKC que também experimentados no mix. Antes mesmo de ter o Knuckles ou qualquer outro, a R.E já estava no cenário. Kimmar usou nosso cão Maxx em alguns cruzamentos. Consequentemente seguramos 15 cães da linhagem dele, incluindo Knuckles e Rage. Enquanto esses cães iam crescendo a Razor’s Edge já tinha sua fómula. Nós só buscávamos cabeças diferenciadas. Não pusemos pedigree em alguns dos cães e esses tiveram que ser registrados na UKC. Daí o envolvimento da R.E com a UKC. Ron deu uma guinada brusca e resolveu reforçar ainda mais nos gamedogs. Teria ele ido muito fundo na linhagem RedBoy e desaparecido?

Ao começar a busca por melhores cabeças fui atrás de alguma coisa da Watchdog. KC já não criava mais, então tive que ir à busca desse sangue em algum lugar. Comprei então cães do Grapevine Kennels. Eu procurava mesmo pelo canil Hughzee's. O qual fui saber que tinha mudado seu nome para Chaos Kennels. Nós vínhamos conversando com a Pam do Gaff Kennels, sobre um cão que nos interessava chamado Seiko. Então acabamos comprando um cão de sua criação. Experimentamos esse animal com diferentes linhas de sangue. A (R.E) surgia com um tipo bem definido de cão. As cabeças eram grandes, mas precisam ser mais pesadas e largas. Algumas gerações depois conseguimos atingir o alvo.

A razão de eu ter escrito esse texto foi porque somos frequentemente perguntados como a linhagem R.E começou. E para mostra também, que é um trabalho que vai além dos cães que são vistos hoje. Não foi tão fácil como cruzar dois cães, esperar algumas gerações e classificar como uma nova linhagem. O trabalho teve como base a pesquisa, que levou vários anos e testou várias linhagens. Essas foram as informações mais importantes, a espinha dorsal. A Razor’s Edge levou vários anos até se completar. O Razors Edge Maxx teve vários de seus filhos estampados nas capas da DogWorld na época, e o Knuckles ainda era um apenas um filhote.

Continuando, um dia apareceu um cara que tinha visto um anúncio nosso no Washigton Post, trazendo consigo um filhote blue cabeçudo chamado Mr.Brooks. Ali estava o ingrediente que estava faltando na R.E. Isso em meados de 1992. Gary e eu colaboramos com muitos cruzamentos nesse ponto. Nós mesmos é que apresentamos nossos cães para a opinião pública. Em 1994 a R.E já possuía um fenótipo próprio, produzindo cães com características já fixadas. Agradeço a todas as linhagens e todos os envolvidos. Muita coisa aconteceu de lá para cá, mas isso é uma longa história. Muitas pessoas rejeitam em aceitar esses cães e essa linhagem, mas isso muda quando passam a conhecê-los melhor. Cães como Short Shot foram criados 4 anos depois e ainda eram encontrados nos quintais da R.E até 1999. Short Shot está com um velho amigo, o Curt. Esse cara possui o 1º R.E já produzido e tem um dos melhores R.E criados. Ele serve como exemplo para explicar como os cães R.E entram em outros quintais, linhas e canis. Os cães R.E foram sempre mantidos entre os amigos. Muita gente, anos depois, acaba procurando por esse sangue. Não, não tenho nada contra a True Tank como pode parecer. Não tenho nenhum problema com isso. Tenho problema com pessoas que ficam desmerecendo a linha e falando isso ou aquilo, sem dar valor ao que foi feito ao longo desses anos. Agora, a postura que a True Tank tem adotado atualmente tem sido bastante respeitosa. Houve um consenso e eles usaram a R.E na sua fundação. Talvez no passado as coisas não foram tão boas entre nós, mas agora tudo caminha na direção certa. Respeito por isso. Respeitar por usar essa linha!

Aqui está o pedigree do Short Shot. Knuckles está na 2ª geração, você pode checar e ver o que está por trás da linhagem R.E:

http://www.apbt.online-pedigrees.com...?dog_id=231233

E aqui está o novo registro deles: http://www.abkcdogs.org/

Para esclarecer os rumores:

1) Troca de nomes: Muitas pessoas adquiriram cães R.E e trocaram os nomes acrescentando os dos seus respectivos canis. Nós sabemos o quanto isso é errado!

2) Mistura entre raças: Nunca aconteceu na R.E. Sim, alguns criadores fizeram isso usando R.E e eles sabem disso. Isso não é minha linhagem e nem meu foco.

3) Razor’s Edge e Presa Canário: Nós fomos proprietários do 1º e único Presa Canário que pisou nos EUA. Eu entrei em contato com clube da raça nas Ilhas Canárias para dar início a um plano de criação e registro. O pessoal do clube me mandou um filhote de 3 meses direto da Espanha. Fiquei com ele até pouco antes dos 5 meses. Depois que tive alguns pits, fiquei muito exigente, não queria saber de outra raça. E resolvi doar o presa canário para os amigos Steve a Carla na Alexandria. Eles acabaram se tornando criadores de presa canários. Nunca mais tive contato com o filhote.

Voltando, eu nunca misturei outra raça na minha linhagem. Isso é um tabú pra mim. Eu sempre Eu sou e sempre fui um Pit man. Eu me fascinei com a raça, e pronto. A aparência dos Mastifes e dos Buldogues não me agrada. Quando você os cruza, você terá um Bandog. Talvez a R.E não tenha mantido o tipo do pit tradicional, mas ao menos se manteve pura. É possível desenvolver cães sem a adição de novas raças. O caminho mais curto não é o melhor. Isso leva tempo e ter paciência não é fácil.

4) Falsificação de pedigrees: Você sabe, eu não vou comentar sobre esse assunto. Tudo o que vi e ouvi foi sobre os cães que tive e tenho no meu quintal. De qualquer maneira tudo o que perguntam está aqui no texto.

5) Meu desabafo: Se não está no meu quintal, pare de especular. Tente trilhar o seu próprio sucesso e pare de difamar o dos outros. Toda essa fofoca não leva a nada. Vamos aproveitar o que temos enquanto podemos.

6) Moral da história: Esses cães não existiriam hoje, se não fosse pelo nosso esforço.

Obrigado pela atenção e pelos que perguntaram. Isso foi um pouco da história da Razor’s Edge até os dias de hoje. Respeito!

(Traduzido por Rhona Lewis em 26/01/09)

Fonte: http://www.pitbull-chat.com/showthread.php?t=10119

O que é um American Bully?

TRADUÇÃO

American Pit Bull Terrier é uma raça criada no início de 1800 para o esporte de briga de cães. Foi concebida para ser gladiadora invencível e, ao mesmo tempo, o melhor amigo do homem. Foi planejada para superar qualquer outra raça em força física e resistência. Esses cães foram criados para o que é chamado de "gameness”. Uma capacidade de não desistir, mesmo em situações de estresse. É um estado mental que transforma o cão numa máquina de combate. Esses cães também foram criados para nunca, instintivamente, reagirem contra uma mão humana, mesmo no calor da batalha. Eles foram os atletas ideais e a raça mais estável ​​e tolerante com humanos. Com o passar do tempo o esporte de briga com cães foi proibido e considerado desumano. A raça então tomou um novo rumo. O propósito atual é de ser o melhor amigo do homem.

Outra raça gerada a partir do Pit Bull com o objetivo de ser um concorrente em exposições de conformação adotou o nome de American Staffordshire Terrier. Ela foi criada unicamente a partir do American Pit Bull Terrier, mas com um novo propósito. Estes cães se tornaram maiores, mais parrudos e tinham um temperamento mais ameno e sociável.

Cerca de 10 anos atrás alguns criadores decidiram que queriam levar a raça para outra direção. Eles desejavam unir o corpo atlético do Pit Bull com o tamanho e musculatura do American Staff. Não queriam cães agressivos como o Pit e nem tão passivos como o American Staff. Os cães teriam que possuir personalidade, caráter, disposição, drive, estamina e equlíbrio. Eles deveriam ter a aparência de um atleta de futebol americano. Através de gerações a raça adquiriu a aparência desejada e passou a ser chamada de "Bullies". Esse foi o início de uma nova raça e uma nova era para o " American Bully". O padrão para o American Bully é uma altura e comprimento médio, com cabeça larga e pesada. Devem ter o focinho com mais massa e um pouco mais curto. O peito deve ser forte, largo e profundo. Os ombros devem ser largos e com musculatura definida. Suas partes traseiras devem ser espessas e musculadas. O cão deve transmitir força da cabeça à ponta da cauda. Quando se olha para um desses cães você deve saber imediatamente que trata-se de um " American Bully".

References/Referência: Dave Wilson - Atomic Dogg Magazine – Edition: April/Abril 2006.

Resumo:

American Bully é uma raça que foi desenvolvida em meados dos anos 90 com o propósito de selecionar cães para conviver com a família. A raça é uma combinação de características do American Pit Bull Terrier e do American Staffordshire Terrier alcançadas ao longo de alguns anos de seleção. O American Bully possui, ao mesmo tempo, a lealdade e firmeza de temperamento do Pit Bull e a sociabilidade e amabilidade do American Staff. Os cães são extremamente tolerantes com crianças. Fisicamente, a raça deve possuir estrutura mediano-baixa com musculatura bastante desenvolvida sem que perca a agilidade; combinada com uma cabeça pesada. Lembrando que a musculatura avantajada foi uma das características selecionadas geneticamente. Não é fruto de hormônios esteróides como pensam alguns leigos.

As linhas de sangue pioneiras são a Razor’s Edge e a Gottiline.


12 de set de 2011

Ichiban

Ichiban (Mikeland's Kracker Jack X Gottyline's Barbee) é um cachorraço da Gottyline. Reparem que aparenta ser bastante dócil e sociável. Rud Core pode falar com mais propriedade.

A história da GOTTILINE.


Gottiline Foundation

Gottiline was founded by Richard Barajas of West Side Kennels. He is the owner of Gottiline's foundation sire, "The Notorious Juan Gotty". In 1997, he purchased Gotty from a gentleman by the name of Tony Moore. (Tony Moore is the owner of Grey Line Kennels in Los Angeles, California. The foundation bitch of Greyline was the late Showtime. Showtime is the producer of Gotty's father, 'PR' Greyline's Raider II. He purchase Gotty for the amount of $1,300. When Gotty was approximately 7 weeks old his sire, "Raider" passed away. When Gotty was 7 months he sired his first litter. He went on to produce many foundation males and females including Coldens Blue Rhino, and Felony (The sire and dam of 21 Blackjack), New Troijan's Dillenger, Pate's Blue Beast, Gottiline's Monster, Do Good Big Boy, and Westside's Capone just to name a few. Gotty is the sire of nearly 650 U.K.C. registered American Pit Bull Terriers (Bullies). Since 1997, Gottiline has spread across the USA, Canada, China, the Philippines, and Japan. Juan Gotty will go down in history as one of the greatest dogs in the bully style movement.

Traducão para o protuguês:

A criação (fundação) da Gottiline:

A linhagem Gotti foi criada por Richard Barajas, titular do canil West Side. Foi o proprietário do expoente da linhagem Gotti, "The Notorious Juan Gotty". Ele comprou o cão de um cara chamado Tony Moore em 1997. Tony Moore é o proprietário do canil Greyline em Los Angeles, Califórnia. A cadela que deu início à linhagem Greyline se chamava Showtime. Ela era avó do Juan Gotti, ou seja, mãe do 'PR' Greyline's Raider II, que era pai do Juan. Ele pagou a bagatela de U$ 1300,00 pelo Juan. Quando Juan estava com sete meses de idade, seu pai, Raider II, morreu. Nessa mesma idade Juan teve sua primeira ninhada. Ele produziu vários reprodutores e matrizes da linhagem como: Coldens Blue Rhino e Felony (o pai e a mãe do 21 Blackjack), New Troijan's Dillenger, Pate's Blue Beast, Gottiline's Monster, Do Good Big Boy e Westside's Capone só para citar alguns. Juan é pai de aproximadamente 650 APBT’s registrados no United Kennel Club. Desde 1997 a linhagem Gotti atravessa as barreiras dos EUA e pode ser encontrada no Canadá, China, Filipinas e Japão. Juan Gotti ficará na história como um dos maiores cães do movimento bully.

A história da GOTTYLINE.


Apesar de constar no arquivo do blog, muitos leitores novos ainda não leram sobre o assunto. Aqui Ed Shepard faz um breve comentário sobre a origem da linhagem até os dias de hoje. Para os que não falam inglês ele comenta que tudo começou quando ele adquiriu o Black Jack. Fala que o importante para ele como criador é manter cabeças pesadas com stop bem marcado e muita musculatura. Ele também frisa sobre a importância do temperamento sociável do plantel. Fala que ele utiliza o "Y" para designar sua linhagem e o Barajas utiliza o "I" (Gottyline X Gottiline). Depois apresenta alguns de seus cães e comenta sobre eles destacando seu "xodó" DAX. Estou longe dos USA, então o que acompanho da produção dos cães é pela net. Sendo assim, dos filhos do DAX que vi, nenhum conseguiu se equiparar ou sequer superá-lo como acontece com o REMY MARTIN (Remyline). Pode ser que eu esteja escrevendo besteira, por isso peço aos leitores que, se souberem de algum filho TOP do DAX, que divulgue abaixo desse post (com o link de preferência).